segunda-feira, 31 de outubro de 2011

"Existem milicianos em várias secretarias do poder público", denuncia Freixo

Marcelo Freixo irá entregar às autoridades um relatório com ameaças de morte recebidas em outubro
Marcelo Freixo irá entregar às autoridades um relatório com ameaças de morte recebidas em outubro
O deputado estadual Marcelo Freixo (PSOL), que deixará o país nesta terça-feira por causa das ameaças que vem sofrendo, garantiu, em entrevista ao programa Balanço Geral, da Rede Record, nesta segunda-feira (31), que "existem milicianos em várias secretarias do poder público".

O parlamentar destacou que o combate ao poder econômico das milícias deve envolver não apenas a esfera policial, mas também os governos municipal, estadual e federal. O deputado, no entanto, não explicou a que área se referia ao acusar a presença de criminosos em cargos públicos.
Freixo, que só voltará ao país se forem feitas melhorias em sua segurança, disse que irá entregar às autoridades um relatório com as sete ameaças de morte recebidas por ele no mês de outubro. O parlamentar reclama que a Secretaria de Segurança trata as denúncias como um problema particular.

O relatório será entregue nesta segunda ao governador Sérgio Cabral, ao secretário de Segurança, José Mariano Beltrame, ao presidente do TJ, desembargador Manoel Alberto Rebêlo dos Santos, e ao Ministério Público do Rio (MP-RJ)
Ele ressaltou também que existe um projeto de lei de 2008 para tipificar o crime de milícia que ainda não foi votado pelo Congresso Nacional. Freixo citou ainda que a fiscalização da distribuição de gás no Estado do Rio pela ANP (Agência Nacional de Petróleo) conta com apenas cinco fiscais.
- São diversas as responsabilidades para tirar a fonte de financiamento desses grupos criminosos.
O deputado afirmou que recebeu sete ameaças de morte no último mês. Ele explicou que desde o assassinato da juíza Patrícia Acioli, em agosto, a quantidade e seriedade das ameaças aumentou.
A Secretaria de Segurança Pública do Estado ainda não se manifestou sobre o assunto

JB 

Supertelescópio James Webb vai sair, garante NASA

O telescópio espacial James Webb vai escapar da "morte" decretada pelo Congresso americano e estará funcionando plenamente em 2018, aposta o administrador da Nasa, Charles Bolden. "O orçamento proposto pelo presidente Obama, que permite continuarmos com a construção do James Webb, será aprovado", disse ele em entrevista exclusiva à Folha.
O telescópio seria um sucessor mais potente do Hubble, capaz de detectar objetos e estrelas ainda mais distantes e antigos. Mas a construção já sofreu atraso de quatro anos e estourou o orçamento, que deve acabar quatro vezes acima do planejado, em US$ 8,7 bilhões. 
O Congresso dos EUA, em era de vacas magras, propõe acabar com o telescópio para cortar gastos. Bolden falou sobre o tema em São Paulo, após assinar dois acordos de cooperação com a Agência Espacial Brasileira.  
Leia na Folha

EXTRA: Empresa cobra estacionamento em área proibida na praia do Peró


Milhares de turistas lotaram as praias do Peró e das Conchas, em Cabo Frio, que integram a Área de proteção Ambiental (Apa) do Pau-Brasil.
Apesar do grande movimento, não havia por lá um agente da Guarda Municipal, da Guarda Marítima Ambiental ou da Polícia Militar. Nem mesmo um fiscal para coibir a grande quantidade de camelôs e os jogos proibidos na areia.
Por outro lado, apareceram muitos flanelinhas oficiais, de colete, para cobrar estacionamento até em locais proibidos.
É o caso do calçadão da Praia do Peró, onde foram colocadas placas da empresa terceirizada que assumiu os estacionamentos da cidade.
Por um período de quatro horas, os banhistas tinham que pagar R$ 5. Os minutos seguintes custavam mais R$ 5.
 Berenice Seara

Justiça anula 13 questões do Enem em todo o país

A Justiça Federal no Ceará decidiu hoje (31) à noite anular 13 questões do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2011 em todo o país devido ao vazamento das perguntas antes da aplicação do exame. De acordo com o juiz Luís Praxedes Vieira da Silva, a divulgação prévia de parte do conteúdo da prova fere o princípio da isonomia.
“Não é o erro, mas o vazamento das questões que leva à nulidade das mesmas, por quebrar o princípio da isonomia. Assim, entendo razoável e proporcional, nesta oportunidade e neste momento processual, declarar a nulidade apenas das questões do certame Enem 2011 que foram objeto de vazamento e prévio conhecimento”, justifica o juiz em trecho da decisão. O Ministério da Educação (MEC) considerou a decisão desproporcional e exagerada e disse que vai recorrer nos próximos dias.
O pedido para que as provas do Enem fossem canceladas foi feito pelo Ministério Público Federal no Ceará (MPF-CE), após a constatação de que alunos do Colégio Christus, de Fortaleza, tiveram acesso antecipado a cerca de 14 questões que foram cobradas no exame. Os itens estavam em apostila distribuída pela escola semanas antes da aplicação do Enem e vazaram da fase de pré-testes do exame, da qual a escola participou em outubro de 2010.
A solução defendida pelo MEC é que os 639 alunos da escola cearense tenham as provas anuladas e façam um novo teste no fim de novembro. Mas o procurador da República Oscar Costa Filho pediu à Justiça que o Enem seja anulado – ou pelo menos as questões que estavam na apostila do Christus. O Inep argumentou ao juiz que o episódio ocorreu de forma localizada e que a reaplicação do exame aos alunos do colégio de Fortaleza não traz prejuízo à isonomia do concurso.
O pré-teste é feito pelo Inep para avaliar se as questões em análise são válidas e qual é o grau de dificuldade de cada uma. Os cadernos de questões do pré-teste deveriam ter sido devolvidos após a aplicação e incinerados pelo Inep. A Polícia Federal investiga se houve fraude na aplicação do pré-teste. O MEC confirma que 14 questões que estavam na apostila foram copiadas de dois dos 32 cadernos de pré-teste do Enem aplicado no ano passado a 91 alunos da escola.
As provas do Enem de 2011 foram aplicadas nos dias 22 e 23 deste mês.
EBC

Piada: PM's arqueólogos


Dois milionários estavam passeando pelo deserto, quando um deles caiu do camelo, porque o animal tropeçou em alguma coisa. Ele então foi ver a "pedra" e começou a cavar em volta dela, achando assim um monumento enterrado. 
Como os dois eram muito ricos, compraram aquela parte do deserto econtrataram uma empresa para cavar a fim de descobrirem o que era.  Após algumas semanas de escavação, descobriram que era uma pirâmide. Ficaram discutindo quem deviam chamar para analisar a pirâmid e, e optaram pelos americanos, afinal, eles tinham muita tecnologia e estudos avançados. Os americanos vieram com jeeps, helicópteros, computadores, especialistas...
 Eles entraram na pirâmide e saíram de lá após 2 anos.
- " E então? O que vocês descobriram?"  - Perguntaram os milionários.
 - " A pirâmide foi construída entre 1.500 e 2.000 A.C."
- " Só isso? Bando de ianques estúpidos! Dois anos pra descobrir só isso?"
 - " Mas, os hieróglifos são diferentes de tudo o que já vimos!"
 - " Sumam daqui seus idiotas!"

 Chamaram então os alemães.
Que também vieram com toda a equipe e parafernálias e se enfiaram na pirâmide por 2 anos. Quando saíram,os milionários perguntaram:
 - " E então? O que descobriram?"
- " A pirâmide foi construída aproximadamente há 2.000 A.C."
 - " Alemães imbecis! Só servem pra beber cerveja? Sumam daqui!"
 - " Mas a escrita é muito complicada!"
 - " Caiam fora, seus idiotas!"

Ficaram então os dois na dúvida. Quem deviam chamar? Até que um funcionário falou para chamarem a polícia brasileira. Os policiais tinham treinamento em investigação e poderiam descobrir alguma coisa.

Como não custa nada tentar, os dois chamaram alguns PMs do Rio de Janeiro. Eles entraram na pirâmide e após 5 horas retornaram com um papel escrito.
- " Mas já saíram?" - perguntaram os dois milionários.
- " Sim, já terminamos a investigação. A pirâmide foi construída entre 12 de fevereiro de 1858 e 22 de julho de 1857 A.C., conforme as ordens do faraó Anekhetop IV, e seu arquiteto foi Tutmosis, o Jovem. No dia da inauguração choveu e houve um eclipse parcial da lua à noite. Participaram da construção da pirâmide 2.118 escravos qualificados, que tentaram uma revolta pelas precárias condições do trabalho, mas que foi sufocada pelos soldados do faraó, com um resultado de 42 mortos. Aí dentro tem 2 milhões de dólares em artefatos de ouro, 5 milhões em diamantes e o custo da obra totaliza 23 milhões de dólares, já inclusos os artefatos..."
E os policiais continuaram por mais meia hora com o blá, blá, blá..., até que um dos milionários falou:
- " Esperem, esperem! Como conseguiram descobrir isso em apenas 5 horas?"
 - " Cara. " - falou um dos PMs - " Foi difícil! Mas, no final, a múmia acabou abrindo o bico..."

Contribuição do camarada Fouraux

sexta-feira, 28 de outubro de 2011

Educação do Rio continua ladeira abaixo

No caso da rede estadual de educação vale aquela máxima popular que diz: “não há nada tão ruim que não possa piorar”. É o que o economista Wilson Risolia, dublê de secretário de Educação de Cabral está conseguindo. Depois da tragédia que foi a gestão da secretária Teresa Porto, consegue-se a façanha de encontrar um secretário ainda pior.

Na prova de avaliação do Estado, o Saerjinho, o resultado em relação à prova do início deste ano mostrou que a maioria dos alunos piorou o seu desempenho em matemática e português. Mas também, o governo Cabral está veiculando nas rádios um comercial falando da educação com erro de concordância e ninguém na secretaria percebeu. Bem, o secretário entende muito é de números.

É lastimável, mas Cabral não está apenas destruindo a educação do Rio, pior do que isso compromete o futuro de milhares de crianças e adolescentes.

http://www.blogdogarotinho.com.br/

Ninguém fala sobre a descoberta no Brasil de uma grande reserva de TÁLIO, mineral altamente estratégico

Precisamos discutir mais a questão dos minérios. O Departamento Nacional da Produção Mineral divulgou, em fevereiro deste ano, a descoberta da primeira jazida brasileira de tálio, um metal extremamente estratégico e de alto valor, hoje produzido somente na China e no Cazaquistão. E a China já divulgou que imporá barreiras a sua exportação!
De tão raro, nem era procurado no Brasil. Foi divulgado que o objetivo da empreitada, inicialmente era, tão somente, a exploração de calcário. E a descoberta foi feita pela empresa do ex-rei da soja, Olacyr de Morais que, nos seus 80 anos de idade, aceitou um novo desafio: a mineração.
A jazida está localizada no território baiano do município de Barreiras e constitui a única ocorrência mundial em que o tálio está associado ao manganês e ao cobalto, em ambiente continental, e que é considerado o elemento de principal interesse econômico.
Para se ter uma idéia da jazida, apenas uma das 24 áreas pesquisadas pela empresa seria suficiente para abastecer todo o consumo mundial, hoje estimado em 10 toneladas anuais, pelo período de seis anos.
O tálio é um metal aplicado em soluções de alta tecnologia, de utilização estratégica nas áreas de saúde e energia, por exemplo. é usado como contraste em exames cardiológicos por imagem, como elemento supercondutor na transmissão de energia e como material termoelétrico, já que tem capacidade de transformar calor desperdiçado em eletricidade aproveitável.
Foi divulgado, ainda, que a reserva do minério é superior a 60 milhões de gramas, apenas na primeira área onde a pesquisa foi concluída, equivalente a menos de 2% da área total de pesquisas do projeto. O metal é comercializado e cotado em grama e o preço varia próximo dos US$ 6 o grama, o que equivale a mais ou menos R$ 10 reais.
Não é preciso nem falar das dificuldades criadas pelo IBAMA…
Francisco Vieira  Tribuna da Imprensa

Fidel Castro, a OTAN e a morte de Kadafi

No domingo passado, o líder da revolução cubana Fidel Castro iniciou uma nova série de Reflexões sobre a OTAN, organização a serviço do imperialismo norte-americano e das potências da União Europeia.

“Essa brutal aliança militar se converteu no mais pérfido instrumento de repressão que a a história da humanidade já conheceu. A OTAN assumiu esse papel repressivo global tão logo a URSS, que tinha servido aos Estados Unidos de pretexto para criá-la, deixou de existir. Seu propósito criminoso se tornou patente na Sérvia, um país de origem eslava, cujo povo lutou tão heroicamente contra as tropas nazistas na Segunda Guerra Mundial.
Quando em março de 1999 os países dessa nefasta organização, em seus esforços por desintegrar a Iugoslávia, depois da morte de Josip Broz Tito, enviaram suas tropas em apoio aos secessionistas kosovares, encontraram uma forte resistência daquela nação cujas experimentadas forças estavam intactas.
A administração ianque, aconselhada pelo governo direitista espanhol de José Maria Aznar, atacou as emissoras de televisão da Sérvia, as pontes sobre o rio Danúbio e Belgrado, a capital desse país. A embaixada da República Popular da China foi destruída pelas bombas ianques, vários funcionários morreram, e não podia haver erro possível como alegaram os autores. Numerosos patriotas sérvios perderam a vida.
O presidente Slobodan Milosevic, premido pelo poder dos agressores e o desaparecimento da URSS, cedeu às exigências da OTAN e admitiu a presença das tropas dessa aliança dentro de Kosovo sob o mandato da ONU, o que finalmente conduziu à sua derrota política e seu posterior julgamento pelos tribunais nada imparciais de Haia. Morreu estranhamente na prisão. Se resistisse uns dias mais o líder sérvio, a OTAN teria entrado em uma grave crise que esteve a ponto de eclodir. O império dispôs assim de muito mais tempo para impor sua hegemonia entre os cada vez mais subordinados membros dessa organização.
Entre 21 de fevereiro e 27 de abril do presente ano, publiquei no sítio CubaDebate nove Reflexões sobre o tema, nas quais abordei com amplitude o papel da Otan na Líbia e o que a meu juízo ia ocorrer.
Vejo-me por isso obrigado a uma síntese das ideias essenciais que expus, e dos fatos que foram ocorrendo tal como foram previstos, agora que um personagem central de tal história, Muamar Kadafi, foi ferido gravemente pelos mais modernos caças-bombardeiros da OTAN que interceptaram e inutilizaram seu veículo, capturado ainda vivo e assassinado pelos homens que essa organização militar armou.
Seu cadáver foi sequestrado e exibido como troféu de guerra, uma conduta que viola os mais elementares princípios das normas muçulmanas e outras crenças religiosas prevalecentes no mundo. Anuncia-se que muito breve a Líbia será declarada “Estado democrático e defensor dos direitos humanos”.
Vejo-me obrigado a dedicar várias reflexões a estes importantes e significativos fatos.
Fidel Castro  Tribuna da Imprensa

Inpe fecha acordo com Nasa e se aproxima de lançar supersatélite


Foram assinados nesta quinta-feira (27) dois acordos de cooperação científica entre o Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) e a Nasa, a agência espacial americana. Os acordos de cooperação no Programa de Medidas Globais de Precipitação (GPM, da sigla em inglês) e sobre medições de ozônio abrem caminho para um possível novo acordo, em fevereiro, para o lançamento de satélite de prospecção de vegetação.

Com o acordo assinado hoje, o Brasil passa a fazer parte da rede que recebe os dados de satélites americanos e japoneses. Dados sobre chuvas obtidos com os satélites dos dois países serão comparados com os dados do Inpe. Além disso, o Inpe também vai participar do desenvolvimento de softwares de análise dos dados.
Enquanto o Brasil não lança satélites de monitoramento de chuvas, o Inpe utiliza dados de pluviômetros e mapeamento de área de risco para desastres naturais. “A assinatura do GPM diz respeito a dados, não afirma que vamos fazer satélites juntos”, disse ao iG Marco Antônio Chamon, coordenador de gestão tecnológica.

Chamon se refere a um antigo desejo do Inpe de construir um satélite para monitorar as chuvas. Desde 2008, o Inpe já tentou concretizar a ideia, em parceria com a agência espacial europeia e com a própria Nasa, mas nas duas ocasiões o projeto não alavancou por causa de cortes de verba nas duas agências. O satélite melhoraria o monitoramento das chuvas no Brasil. “Hoje, pode chover muito por duas horas e o satélite não acompanhar”, disse.


Ozônio

Outro acordo assinado hoje visa a coooperação das duas instituições no estudo da concentração de vários componentes da atmosfera e a compreensão da camada de ozônio da Terra. A participação do Brasil neste estudo permite, por exemplo, que o país passe a receber dados do satélite americano NPP, que será lançado amanhã pela Nasa e que tem um medidor de ozônio.
Durante a cerimônia o diretor da Nasa, o astronauta Charles Bolden, elogiou as instalações e a qualidade do Inpe e agradeceu os esforços do instituto na qualificação do satélite argentino Aquarius.

Flora, o supersatélite brasileiro

A visita de Bolden e a assinatura dos acordos marcam uma reaproximação do Brasil com os Estados Unidos nesta área, já que há 10 anos nenhum administrador da agência espacial Brasileira vinha para o país. Neste período, o Inpe firmou acordos com países como a França para a construção de satélites, mas que acabaram sendo cortados por causa da crise econômica mundial. 
Durante a visita o Inpe apresentou uma proposta cooperação entre a Nasa e um satélite de alta resolução espectral, o Geteo (Observatório Global do Ecossistema Terrestre), também conhecido como Flora. “Hoje o monitoramento apenas vê se há floresta ou não. O Flora é capaz de verificar as características químicas e físicas da vegetação, o que satélite nenhum faz atualmente. Ele é 10 vezes mais avançado do que qualquer satélite do mesmo tipo”, disse Chambon. “Este acordo de hoje facilita o próximo acordo em fevereiro, embora o pessoal da Nasa não admita isso”, finalizou.
Caso a parceria seja assinada em fevereiro, Nasa forneceria um instrumento, que custa 150 milhões de dólares e o Brasil entraria com o fornecimento de cerca de 110 milhões de dólares, referentes a uma parte do satélite e parte do lançamento.
iG

quarta-feira, 26 de outubro de 2011

Qual o custo de um vereador?


A aprovação em 2009 da Emenda 58 garantiu a criação de 24 faixas populacionais que definem o número de vereadores por cidade. Segundo um estudo da Confederação Nacional de Municípios (CNM), divulgado no início de outubro deste ano, 2.153 municípios estão qualificados a rever a quantidade de representantes na Câmara Municipal. Entre os 1.857 participantes do levantamento, metade já abriu mais vagas e mais de 61% da outra parcela pretende fazer o mesmo.
As novas faixas criadas variam entre o máximo de nove vereadores nas cidades com até 15 mil habitantes a 55 nos municípios com mais de 8 milhões de pessoas. Sendo assim, o número máximo possível de vagas para as eleições de 2012 é 59.764 – 7.710 a mais que em 2008 – e os estados com maior adesão são São Paulo, Minas Gerais, Bahia, Ceará, e Rio Grande do Sul.

A escolha pelo aumento da bancada é uma opção da Câmara Municipal, mas capitais como Salvador e Porto Alegre mantiveram o mesmo número de integrantes. Por outro lado, Florianópolis e Maceió ampliaram seus quadros, enquanto São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte já dispõem da quantidade máxima permitida em suas faixas populacionais – diferentemente da maioria das cidades de médio e pequeno porte aptas para a revisão, faixa que concentra a maior adesão à mudança a partir de 2013.

Mesmo considerando que, geralmente, nestes locais a discussão e votação de projetos acontece em um longos intervalos de tempo. Um possível indicativo de falta de debate político ou temas de interesse público a serem transformados em lei. Enquanto a cidade de São Paulo realiza ao menos três sessões ordinárias por semana, Araraquara, no interior do estado, tem apenas uma. Há registros de cidades em que as mesmas ocorrem a cada 15 dias.

Com  esse nível de adesão ao debate de projetos, a justificativa de que o aumento de vereadores traria maior representatividade tem pouco sentido. Por outro lado, a medida elevaria substancialmente os custos de administração e já enfrenta resistência em diversas regiões do País. Caso de Novo Hamburgo, interior do Rio Grande do Sul, que inicialmente aprovou a proposta, mas desistiu após a pressão popular.
O custo benefício de um vereador pode ser calculado levando em conta algumas variáveis, como a presença nas sessões ordinárias e extraordinárias, às quais devem oficialmente comparecer. Porém, a conta fica mais complicada ao analisar que o mesmo não vale para outros eventos da Casa ou até para o expediente no gabinete. Não há uma jornada de trabalho determinada.

Visto que a maioria das cidades a revisar o número de vereadores são do interior do País, CartaCapital escolheu aleatoriamente três municípios desta parte do Brasil para um levantamento do impacto econômico da adoção da medida. Os locais escolhidos possuem porte médio e estão nos estados com maior adesão à proposta.

Para ilustrar o cenário de custo-benefício, foram comparados o valor dos salários dos vereadores, a quantidade de horas trabalhadas pelos mesmos em 2005, de acordo com levantamento publicado no início deste ano pela ONG contra a corrupção Transparência Municipal,  baseado em dados da Interlegis  – Comunidade Virtual do Poder Legislativo, e a frequência das sessões ordinárias.

Disparidade
Em Araraquara, cidade paulista de cerca de 208 mil habitantes, a Câmara Municipal vai passar de 13 para 18 vereadores em 2013, abaixo dos 21 permitidos por lei.
O município realiza apenas uma sessão ordinária por semana e os dados da Transparência mostram que os vereadores da cidade trabalharam, em média, apenas 32 horas mensais em 2005. Uma quantidade inferior a uma semana da jornada de um indivíduo registrado no regime de 8 horas diárias da CLT, ou 160 horas por mês.
Na cidade, cada vereador recebe 5.043,73 reais por mês (sem direito a benefícios) e tem garantido dois assessores de gabinete com salário de 1.684,13 reais mensais cada, além de um assessor legislativo por 2.046,64 reais por mês. Logo, o custo mensal por vereador é de 10.458,63 reais.
Em uma comparação simples, considerando o salário de 2011 dos vereadores da cidade e as horas trabalhadas por mês em 2005, eles recebem o equivalente a 157,61 reais por hora. A hora de um empregado com o salário mínimo de 545,00 reais custa 3,4 reais, em uma jornada cinco vezes mais longa.
A Câmara Municipal de Araraquara informou, por meio de sua assessoria de imprensa, que os cinco vereadores novos representarão um acréscimo de 2 milhões de reais por ano às despesas da Casa. A previsão inclui a reforma do prédio para abrigar os gabinetes extras, mas deixa de fora um possível aumento salarial para a próxima legislatura a ser debatido em 2012.
Em Caxias do Sul, a segunda maior cidade do Rio Grande do Sul, com cerca de 440 mil habitantes, aumentou em seis o número de vereadores a partir de 2013. Agora serão 23, o máximo permitido.
Os vereadores caxienses recebem um subsídio de 7.607,06 (sem 13º salário  e outros benefícios). Segundo a Transparência Municipal, os representantes trabalharam 32 horas mensais, em média, em 2005. Uma proporção de 232,72 reais recebidos por hora, para comparecer a três sessões ordinárias por semana.
Cada vereador tem direito a dois assessores políticos com salários de 2.725,10 reais por mês cada. Logo, o aumento de seis vereadores resultaria em um gasto mensal de 78.343,56 reais, apenas em subsídios.
Além disso, a Câmara construiu um prédio anexo para os novos gabinetes, ao custo de 1.804.858,00 reais. Na cidade também deve ser discutido um aumento no salário da próxima legislatura.
No interior da Bahia, em Vitória da Conquista, cidade de cerca de 310 mil habitantes, a Câmara passará de 17 para o máximo de 21 vereadores a partir de 2013. Com um orçamento de 6 milhões de reais para 2011, o órgão paga 8.849,00 reais (sem benefícios) aos seus vereadores.
A média mensal de horas trabalhadas foi de 48 em 2005, pelo valor de 737,41 reais, quase o dobro da quantia paga nas cidades anteriores juntas. Além disso, há apenas duas sessões ordinárias semanais.
Cada gabinete tem uma verba de 7 mil reais, logo, o aumento das vagas representaria 95.094 reais extras por mês aos cofres públicos. Ainda existe um projeto para a construção de um quarto andar na Câmara, no qual ficariam os gabinetes novos. Porém, sem estimativas de gastos.
Esse cenário ocorre mesmo com a diminuição dos repasses às câmaras, também aprovado na Emenda. Com a mudança, Araraquara e Vitória da Conquista podem perder até 15% e Caxias do Sul, 17%, de seus orçamentos para 2013. Porém, as cidades com mais habitantes e, consequentemente, mais vereadores, enfrentarão maiores cortes. São Paulo, por exemplo, pode ter uma redução de até 30% nos repasses, hoje em 431.064.192,36 de reais por ano.
Na capital paulista, os vereadores ganham 15 mil reais e trabalharam em média mais de 160 horas por mês, recebendo 93,75 reais a cada 60 minutos de jornada, abaixo das médias acima. Contudo o custo de gabinete é exponencialmente mais elevado: são 18 assessores parlamentares para cada vereador, com uma verba mensal de 84.407,60 reais para mantê-los e ainda 16.359,48 reais para despesas gerais.
Carta Capital

terça-feira, 25 de outubro de 2011

Sepe orienta profissionais de educação do estado a não aplicarem o Saerj


O Sepe é contra o Saerj (ou Saerjinho) - uma avaliação feita pela Secretaria Estadual de Educação (Seeduc), que pretende medir os conhecimentos dos alunos, mas não foi planejada pelos professores da rede estadual e não leva em consideração a realidade das escolas, que não têm uma estrutura mínima para o estudo. Por isso, o sindicato orienta os professores a não aplicarem a prova, que será realizada amanhã e quinta-feira.

As provas do Saerjinho fazem parte do Plano de Metas apresentado pela Seeduc e tem como um dos seus eixos a meritocracia. Isto significa que o resultado desta e de outras avaliações externas será utilizado para “premiar” ou “punir” professores e funcionários de acordo com o resultado das provas, estabelecendo uma lógica de remuneração variável.

O Sepe não é contra qualquer avaliação que tenha por objetivo identificar problemas no processo de ensino para melhorar a qualidade da educação. O problema, para o sindicato, é que o Saerjinho é uma avaliação classificatória que pretende estabelecer salários diferentes de acordo com a produtividade de cada escola. Alem do mais, este sistema já deu errado em vários lugares, tais como Chile, EUA e no estado de São Paulo. E já deu errado aqui na própria Seeduc, com o Programa Nova Escola, que foi um tremendo fracasso.

A educação é um direito de todos e dever do Estado. Estabelecer uma lógica produtivista na educação é esquecer que a escola não é uma fábrica, que a riqueza do processo educativo depende de muitas coisas além do esforço dos professores e funcionários, e que não haverá qualidade na educação enquanto as condições de trabalho forem tão ruins que levam ao abandono de mais de 20 professores por dia – como pesquisa do Sepe no Diário Oficial comprova.

Não somos contra o Saerj para impedir um diagnóstico, pois nós profissionais da educação fazemos isso o tempo todo. Somos contra o Saerj porque não podemos aceitar que a educação pública seja encarada como uma mercadoria vendida a preços diferentes dependendo das condições do “negócio”. Educação de qualidade é direito de todos!
 Sepe

Romário detona CBF e fala em vergonha: "Tomamos um pau"